Imobilidade Urbana: caos no trânsito de Palhoça

Imobilidade Urbana: caos no trânsito de Palhoça

A CDL de Palhoça e o Prefeito Eduardo Freccia reúnem-se a cada 90 dias para tratar dos principais assuntos que afetam o comércio local e a população em geral. 

Agendada a próxima reunião apenas para o dia 20/05, existe uma tentativa de antecipá-la, em função do assunto urgente: caos no trânsito da nossa cidade. Esta situação afeta comerciantes e a própria população palhocense.

As mudanças feitas pela Prefeitura Municipal de Palhoça (PMP) entornaram o caldo de vez. Longas filas e muito tempo perdido nos curtos deslocamentos no centro da cidade. 

 

A pergunta que surge é: tais mudanças foram precedidas de um estudo técnico qualificado contratado, de fluxo e volume de tráfego nas principais vias centrais? A impressão que se tem é que não. 

Parece mais um processo de “tentativa & erro”, pois aquilo que já era ruim, conseguiu ficar ainda pior.

Qual a solução para a mobilidade de Palhoça?

A verdade é que o problema é crônico e de solução nada fácil. Por isso mesmo, não é possível fazer improvisações nem experiências. Paliativos até podem contemporizar o problema, mas não o resolvem em definitivo. 

Há carros demais em circulação – e que não param de aumentar – e ruas de menos. Por isso, não há como fugir do combate à cultura da dependência dos carros e veículos particulares . 

Algumas opções para melhorar nosso trânsito seriam:

  • incentivo ao uso de bicicletas e andar a pé; 
  • restrição de circulação motora nas áreas centrais; 
  • uso de transporte público, carros de aplicativo; etc.,.

Porém, estas soluções adotadas por grandes metrópoles nem chegam a ser cogitadas pelo palhocense.  

É preciso, pois, agir com critérios científicos para resolver o problema. Há que se solucionar o caos emergencial em que estamos. 

Mas é preciso também um olhar mais amplo para o futuro, com a criação de alternativas de médio e longo prazos, aliadas a investimentos em educação permanente de nossa população.